quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Férra-dura.





  A Língua sofre na ponte o desespero da pedra enrolada no pescoço!

                                   A Língua escorre,

                              Enquanto o corpo despi.

                                A Língua explora,

                                   A alma tece!

                             A Língua implora,
                  
                      Entretanto, o osso esbugalha.

                              A Língua é fé,

                        A mente uma tormenta?

                             A Língua quer,

                        O cinismo adormece!

                         A Língua jorra,

                   O Homem o desperdício...

                  A Língua ao final de tudo,

                     Ao soluço do agora.

                   A Língua Esperneia calada,

                   A dor adora publicidade!

                       A Língua  morre,

                A idéia saliva eternamente!

                     E ao final de tudo,
          
               A Língua até tinha razão.

                A Língua É criança,

                  É Fator Emoção!



Raphaah Abreu

3 comentários:

  1. A língua vicia...

    Muito interessante seu espaço!

    A Luz vai ficar...

    ;)

    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Perfeita expressão, Poeta amigo !

    ResponderExcluir